Processos Formativos de Professores no Movimento das Feiras Catarinenses de Matemática: Estudo de Caso

Regina Célia Grando, Araceli Gonçalves

Resumo

Este estudo tem por objetivo investigar como a participação no movimento das Feiras de Matemática contribuiu para a formação continuada de duas professoras. Para tanto, pedimos que as professoras Renata Cristine Conceição e Paula Grawieski Civiero produzissem narrativas orais relatando como foi a trajetória delas no movimento das Feiras de Matemática catarinenses e como esta impactou a sua formação enquanto professoras que ensinam matemática. Essas narrativas foram transcritas e analisadas à luz dos referenciais teóricos de Cochran-Smith e Lytle (1999) e Diniz-Pereira (2014). No processo de análise, emergiram três categorias: a participação das feiras como rompimento do ensino tradicional; o movimento das feiras contribuindo para o desenvolvimento profissional docente; a percepção docente quanto à mudança de uma cultura de aula de matemática. Os resultados indicam as aprendizagens das duas professoras ao participar e orientar trabalhos nas feiras, no movimento de repensar suas práticas, experimentar outras formas de ensinar e aprender matemática e a proposição de uma cultura de aula de matemática a seus estudantes mais próxima da problematização e menos tradicional.

Texto completo:

PDF

Referências

ANDRÉ, M. Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. 3, p. 174-181, set./dez. 2010.

BIEMBENGUT, M. S.; ZERMIANI, V. J. Feiras de Matemática: história das ideias e ideias da história. Blumenau: Lagere; Nova Letra, 2014.

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. L. Relationships of Knowledge of Practice: Teacher Learning in Communities. Review of Research in Education, USA, n. 24, p. 249-305, 1999.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Da racionalidade técnica à racionalidade crítica: formação docente e transformação social. Perspectivas em Diálogo, v. 1, p. 21-33, 2014. Disponível em . Acesso em: jan. 2019.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; LACERDA, M. P. de. Possíveis significados da pesquisa na prática docente: ideias para fomentar o debate. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 109, p. 1229-1242, set./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: jan. 2019.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GRANDO, R. C.; NACARATO, A. M.; FERNANDES, I. A. A. Implicações das estratégias formativas para os processos reflexivos de professores no interior da escola. In: XIII ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 2006, Recife. Anais.... Disponível em: . Acesso em: jan. 2018.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Nuances, Presidente Prudente, v. 3, n. 3, p. 5-14, set. 1997. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2019.

SILVA, V. C. da. Narrativas de professoras que ensinam matemática na região de Blumenau (SC): sobre as Feiras Catarinenses de Matemática e as práticas e concepções sobre ensino e aprendizagem de matemática. 2014. Tese (Doutorado)-Faculdade de Educação. Universidade Estatual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2014.

ZERMIANI, V. J. Feiras de Matemática de Santa Catarina: relevância para a educação. Blumenau: Edifurb, 2003.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.