Feiras de Matemática no Contexto de Interações: Intervenções que contribuem para a Prática Docente

Edjane Mota de Assunção, Marco Antônio Escher

Resumo

Este artigo relata parte de uma pesquisa concluída de Mestrado, que visou observar a prática pedagógica num contexto de interação e teve como escopo a questão – Como é o envolvimento e como atua um grupo de professores de matemática nos anos finais do ensino fundamental e ensino médio em um projeto de Feiras de Matemática? Tal pesquisa teve como objetivo geral investigar como esse grupo se envolve no projeto de Feiras de Matemática, bem como discutir o modo como atuam em sua prática docente. A investigação, de cunho qualitativo, foi desenvolvida utilizando-se de observações, questionários e entrevistas com o grupo de professores que, juntamente com seus alunos, realizaram as Feiras nas suas respectivas escolas das redes municipal e estadual da cidade de Juiz de Fora (MG). O instrumento de análise e interpretação dos dados aconteceu a partir do processo da Pesquisa-ação, numa abordagem da pesquisa qualitativa, acompanhando toda a realização das Feiras como pesquisadora e professora. Após a análise dos dados verificamos que os professores produziram não só um significado em realizar a Feira, mas também o efeito positivo de suas atividades nas aulas de matemática. Temos indícios de que os professores que se propuseram a realizar as Feiras envolveram-se e interagiram com os alunos, demonstrando-se motivados e dispostos na construção conjunta dos trabalhos em sala de aula.

Texto completo:

PDF

Referências

BARBIER, R. A pesquisa-ação.Tradução de Lucie Didio. Brasília: Liber Livro Editora, 2002.

CHAVES, S. N. Por uma nova epistemologia da formação docente: o que diz a literatura e o que fazem os formadores. In: SCHNETZLER, R. P. e ARAGÃO, R. M. R. (orgs.). Ensino de ciências: fundamentos e abordagens. Campinas/Piracicaba: CAPES/UNIMEP, 2000.

D’AMBROSIO, U. Transdisciplinaridade. 2ª ed. São Paulo. Palas Athena. 1997.

FLORIANI, J. V.; ZERMIANI, V. J. Feira de Matemática. Revista de Divulgação Cultural, Blumenau, p.1-16, dez. 1985.

FLORIANE, J.V.; ZERMIANI, V. J: Feiras de Matemática. In: SBEM, BOLETIM 53, junho/2016.

FOERSTE, E. Parceria na formação de professores. São Paulo: Cortez, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra. 1996.

FROTA. M. C. R. Experiência Matemática e Investigação Matemática. In: Coleção Tendências em Educação Matemática (2003).

GARCÍA, M. C. Formação de professores – para uma mudança educativa. Porto: Porto, 2005.

HOELLER, S. A. de O. [et al], Gestão das Feiras de Matemática: em movimento e em rede. In: ______ [et al.] (orgs.), Feiras de Matemática, Blumenau: IFC, 2015.

MALDANER, O. A. Concepções epistemológicas no ensino de ciências. In: SCHNETZLER, R. P. e ARAGÃO, R. M. R. (orgs.). Ensino de ciências: fundamentos, 2000.

PLACCO, V. M. N. S.; SOUZA, V. L. T. Aprendizagem do adulto professor. SP: Edições Loyola, 2006.

SILVA, V. C. Narrativas de Professoras que Ensinam Matemática na Região de Blumenau (SC): Sobre as Feiras Catarinenses de Matemática e as Práticas e Concepções sobre Ensino e Aprendizagem de Matemática. Bauru: UNESP, Tese de doutorado, 2014.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 2ª edição. Petrópolis, Vozes, 2002.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. 6 ed. São Paulo: Cortez, 1994. By Michel

Apontamentos

  • Não há apontamentos.