Para Ler e Interpretar o Texto: reflexões a partir da linguagem e suas implicações para o ensino e aprendizagem de Matemática

Alan Gonçalves Lacerda

Resumo

Este texto discute alguns dos obstáculos para a compreensão dos conteúdos em Matemática, bem como de metodologias de ensino de Matemática promulgadas sobre a leitura e escrita nas aulas. Um conjunto importante dessas interpretações são oriundas dos estudos de Gilles-Gaston Granger, Ludwig Wittgenstein, Jhon L. Austin, Paul Ricoeur e Gottlob Frege. A partir dessas abordagens trazidas por estes autores, discutirei suas consequências teóricas para o estudo da linguagem, especialmente articulá-las para colocar em destaque a função comunicativa. Sendo assim, discorro sobre as questões relativas a linguagem, seus usos e funcionamentos para o ensino e aprendizagem, com o intuito de demonstrar que na Matemática, no que respeita aos conceitos com que operam, tem a função de ser uma norma, e por outro lado, indigitar que é necessário reconhecer que não tem papeis fixos e pré-determinados,cuja a função pode ser alterada ou mudada a partir do momento de escolhas e arranjos no sistema linguístico, por tornarem-se elementos do processo comunicativo dos atos de fala. Nesse ínterim, mostro as características sobre uma estrutura lógica para ler o texto matemático via aos estilos que se delineam sobre a interpretação.

 

Texto completo:

PDF

Referências

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

ARAÚJO, I. L. Do signo ao discurso: Introdução à filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola, 2004.

ASPEITIA, A. A. B. Universabilidad y Aplicabilidad de las Matemáticas en Wittgenstein y el Empirismo Logicista. Theoría, Revista del Colegio de Filosofía. México: Facultad de Filosofíay Letras, UNAM. Núm. 13, Junio 2002. pp.119-136.

AUSTIN, J. L.; HOWSON, A. G. Language and mathematical education. In: D. Reidel Publishing Co., Dordrecht, Holland, and Boston. Educational Studies in Mathematics.U.S.A. p. 161-197. 1979.

AUSTIN, J. L. How to do things with words. Oxford University Press, 1962.

ESPINOZA, M. Les Mathematiques et le Monde Sensible. Paris: Ellipses, 1997.

FERREIRA, A. B. H. Miniaurélio: o dicionário da língua portuguesa. Edição eletrônica autorizada à Positivo Informática LTDA, 2004.

FREGE, J. G. Os fundamentos da aritmética. Tradução de Luís Henrique dos Santos. 4 ed. São Paulo: Nova Cultural, 1989.

GÓMEZ-GRANELL, C. La adquisicióndellenguaje matemático: Un difícil equilibrio entre el rigor y el significado. In: Comunicación, Lenguaje y Educación. Barcelona: CL&E, 1989.

GOTTSCAHLK, C. M. C. A natureza do conhecimento matemático sob a perspectiva de Wittgenstein: algumas implicações educacionais. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, v. 14, n. 2, p. 305-334, 2004.

_________. Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar.International Studies on Law and Education, v. 18, p. 73-82, 2014.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

GRANGER, G. G. Filosofia do estilo.Trad. Scarlet ZebettoMarton. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_________. Conventions, normes, axiomes dans la connaissancedesfaitshumains. Dialectica, v. 41, n. 1-2. 1987.

LACERDA, A. G.Linguagem, Comunicação e Matemática. Minas Gerais: VirtualBooks Editora, 2016.

LAKATOS, I. A lógica do descobrimento matemático: provas e refutações. Tradução de Nathanael C. Caixeiro. Rio de janeiro: Zahar Editores, 1978.

MACHADO, A. N. Lógica e forma de vida: Wittgenstein e a natureza da necessidade Lógica e da Filosofia. Tese (Doutorado em Filosofia). Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

MACHADO, N. J. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação mútua. São Paulo, Cortez, 2011.

OTTE, M. O formal, o social e o subjetivo: uma introdução à filosofia e à didática da matemática. Tradução: Raul Fernando Neto. São Paulo: UNESP, 1993.

OTTONI, P. Visão performativa da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

PIMM, D. El lenguaje matemático enel aula. Madrid: Ediciones Morata, 2002.

RICOEUR, P. Do texto a acção: ensaios de Hermenêutica II. Tradução: Alcino Cartaxo & Maria José Sarabando. Porto: Rés, 1986.

_______. O conflito das interpretações: ensaios de Hermenêutica. Tradução: M. F. Sá Correia. Porto: Rés, 1989.

_______. Sobre a tradução. Tradução de Patrícia Lavelle. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

SEARLE, J. R. Os atos de fala. Tradução de Carlos Vogt. Coimbra: Almedina, 1984.

SILVEIRA, M. R. A. Produção de sentidos e construção de conceitos na relação ensino/aprendizagem da matemática. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, UniversidadeFederal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 13ª ed. São Paulo: Cortez, 2009.

WITTGENSTEIN, L. Da certeza. Tradução de Maria Elisa Costa. Lisboa: Edições 70. 1969.

_______. Tractatus Logico-Philosophicus. Tradução: José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 2010a.

_______. Investigações filosóficas. Tradução: José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

_______. Gramática filosófica. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Edições Loyola, 2010b.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.