Alfabetização Matemática na Perspectiva da Linguagem

Carlos Evaldo dos Santos Silva

Resumo

Neste trabalho, discutimos o ensino da matemática na alfabetização a partir de uma perspectiva linguística. A proposição dessa discussão se justifica por entendermos que a linguagem desempenha um papel fundamental na constituição dos conceitos matemáticos, possibilitando, assim, tornar o ensino dessa disciplina significativo. Para isso, recorremos ao conceito de jogos de linguagem, de Ludwig Wittgenstein, como condição de sentido para os enunciados linguísticos, tanto da linguagem natural quanto da linguagem matemática, fixando o significado dentro da própria linguagem sem necessidade de recorrer a entidades externas.

Texto completo:

PDF

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA): documento básico. Brasília: INEP, 2013.

BRASIL. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Quantificação, Registros e Agrupamentos. Brasília: MEC/SEB, 2014.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em .

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ministério da Educação. Censo Escolar 2017: Notas Estatísticas. Brasília: Inep, 2018a.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ministério da Educação. Catálogo de Teses e Dissertações. 2018b.Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

DANTE, L. R. Matemática: contextos e aplicações. São Paulo: Ática, 2010.

DANYLUK, O. Alfabetização Matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil. Porto Alegre: Sulina, 2002.

DANYLUK, O. As Relações da Criança com a Alfabetização Matemática. In:

BAUMANN, A. P. P., et al. Maria em Forma/ação. Rio Claro: IGCE, 2010. p. 28-33.

FONSECA, M. C. F. R. Sobre a adoção do conceito de numeramento no desenvolvimento de pesquisas e práticas pedagógicas na educação matemática de jovens e adultos. Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Educação Matemática, 2007. Disponível em: .

GOMEZ-GRANELL, C. Aquisição da Linguagem Matemática: símbolo e significado. In: TEBEROSKY, A.; TOLCHINSKY, L. Além da Alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. São Paulo: Ática, 2003. p. 257-282.

GOTTSCHALK, C. A Natureza do Conhecimento Matemático sob a Perspectiva de Wittgenstein: algumas implicações educacionais. Cadernos História, Filosofia e Ciências, jul/dez 2004. p. 305-334.

GOTTSCHALK, C. Ver e ver como na construção do conhecimento matemático. In: Imaguire, G. Colóquio Wittgenstein: artigos em comemoração ao cinquentenário das Investigações Filosóficas. Fortaleza: Edições UFC, 2006.

GOTTSCHALK, C. Uma concepção pragmática de ensino e aprendizagem. Educação e Pesquisa, set/dez - 2007. p. 459-470.

GOTTSCHALK, C. A construção e transmissão do conhecimento matemático sob uma perspectiva wittgensteiniana. Cadernos Cedes, jan/abr - 2008. 75-96.

GOTTSCHALK, C. Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education, 2014. p. 73-82.

GOTTSCHALK, C. A terapia wittgensteiniana como esclarecedora de conceitos fundamentais do campo educacional. Ixtli. Revista Latinoamericana de Filosofía de la Educación. v. 2. n. 4. 2015. p. 299-315.

JASTROW, J. Fact and Fable in Psychology. Macmillan and Co.: London, 1901.

LEE, C. El lenguaje en el aprendizaje de las matemáticas. Madrid: Ediciones Morata, 2010.

LÉTOURNEAU, J. Ferramenta para o pesquisador iniciante. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

MACHADO, J. N. Matemática e Língua Materna. São Paulo: Cortez, 2011.

MAIA, M. G. B. Alfabetização matemática: aspectos concernentes ao processo na perspectiva de publicações brasileiras. 2013. 267 f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

MARQUES, V. R. Alfabetização matemática: uma concepção múltipla e plural. 2016. 167 f. Tese (Doutorado em Educação e Ciências e Matemáticas) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

MORENO, A. R. Introdução a uma pragmática filosófica. Campinas: Unicamp, 2005.

MORENO, A. Wittgenstein: Um projeto epistemológico? – Em direção a uma epistemologia do uso. In: Wittgenstein – Certeza? Coleção CLE, Campinas, v. 58, p. 11-47, 2010.

MORENO, A. Introdução a uma epistemologia do uso. Caderno CRH, Salvador, v.25, n.esp 02, p. 73-95, 2012. Disponível em < https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/ view/19443/12569>.

MORENO, A. Por uma epistemologia do uso – Um aspecto do conceito Wittgensteiniano de uso: construção do signo e constituição do conceito. In: Wittgenstein e seus aspectos. Campinas: UNICAMP, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência, 2015.

SILVA, C. E. S. Concepções de significado: implicações no ensino da matemática na alfabetização. 2015. 97 f. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal do Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, 2015.

SILVEIRA, M. R. A. Aplicação e interpretação de regras matemáticas. Educação Matemática e Pesquisa, São Paulo, v. 10, n. 1, pp. 93-113, 2008. Disponível em .

SILVEIRA, M. R. A. Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem. Educação Matemática e Pesquisa, São Paulo, v.16, n.1, pp. 47-73, 2014. Disponível em: .

SILVEIRA, M. R. A; LACERDA, A. G. Leitura e interpretação de textos matemáticos. Pré-Univesp. n. 29. Língua e linguagens. Março 2013. Disponível em: .

VOLPATO, G. L. Método Lógico para redação científica. Botucatu: Best Writing, 2011.

WITTGENSTEIN, L. Gramática Filosófica. São Paulo: Edições Loyola, 2003. Tradução de: Luís Carlos Borges.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Petrópolis: Editora Vozes, 2012. Tradução de: Marcos G. Montagnoli.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.