Jogos de linguagem na Educação Matemática Inclusiva: um olhar a partir das linguagens dos surdos

Ivanete Maria Barroso Moreira, Walber Christiano Lima da Costa

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca dos jogos de linguagem presentes no cenário educacional matemático, envolvendo os alunos surdos. A partir de um estudo de caso, constatamos que há a existência de jogos de linguagem variados entre os componentes da sala de aula inclusiva e que a presença de intérpretes formados nas áreas específicas de conhecimento garante pelo menos um reconhecimento linguístico e uma relação que pode ser considerada mais justa de ensino e aprendizado para as comunidades surdas. Concluímos, assim, que a linguagem matemática em sala de aula é fruto do encontro entre manifestações de várias naturezas, possui e se constitui por aproximações e semelhanças com outras formas de comunicação, como a língua portuguesa, a língua de sinais, a linguagem do matemático profissional, a linguagem das representações pictóricas, entre outras.

Texto completo:

PDF

Referências

ARAÚJO, Inês Lacerda. Do signo ao discurso: Introdução à filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola, 2004.

BRASIL. Lei n°. 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015. Disponível em: . Acessada em: 20 de Fevereiro de 2019.

GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Tradução Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

GOTTSCHALK, Cristiane Maria Cornélia. A construção e transmissão do conhecimento matemático sob uma perspectiva wittgensteiniana. Cadernos Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 75-96, jan./abr. 2008.

GRANGER, Gilles Gaston. Filosofia do estilo. Tradução Scarlett Zerbetto Marton. São Paulo, Perspectiva/Edusp, 1974.

KRISTEVA, Julia. De l' étrangetéduphallus, ou le féminin entre illusion et désillusion. In: KRISTEVA, Julia. Senset non-sens de larévolte. Paris: Fayard, 1996.

KRISTEVA, Julia. História da Linguagem. Tradução Maria Margarida Barahona. Lisboa, Edições 70, 1999.

LACERDA, Allan G.; SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Linguagem, Escrita e Comunicação: uma análise através de jogos de linguagem da interação entre pares pela busca da leitura/tradução do texto em processos de ensino e aprendizagem da matemática. Revista Paranaense de Educação Matemática - RPEM, Campo Mourão/PR, v.2, n.3, jul-dez. 2013. 77-88.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, E.P.U., p. 99, 1986.

MARCONDES, Danilo. Textos básicos de linguagem: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

MERRIAM, Sharan. Case studyresearch in education: A qualitative approach. San Francisco, CA: Jossey-Bass, 1988.

NASCIMENTO, Sandra Ferreira; CORREIA, Margarita. Um Olhar sobre a Morfologia dos Gestos. Lisboa: UC Editora, 2011.

QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. 221 p.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Aplicação e Interpretação de regras matemáticas. Revista Educação, Matemática e Pesquisa, São Paulo, v. 10, n. 1, pp. 93-113, 2008.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Matemática, discurso e linguagens: contribuições para a educação matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015b.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Produção de sentidos e construção de conceitos na relação ensino/aprendizagem da matemática. 176 f. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.16, n.1, p.47-73, 2014.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Tradução e interpretação de textos matemáticos. In:LiDEs - A literacia das disciplinas escolares: Desafios nas aulas de História e Matemática. Maria Helena Martinho Maria do Céu de Melo (Eds.), Edição: Centro de Investigação em Educação (CIEd), 203-226, Dezembro de 2015, 2015a.

STOKOE, William. Sign language diglossia. Studies in Linguistics. 21, 27-40. printedin Semiotics & Human Sign Languages, 1969/1972. The Hague, Mouton, 1969.

STROBEL, Karin; FERNANDES, Sueli. Aspectos linguísticos da Língua Brasileira de sinais. Curitiba: Secretaria da Educação. Superintendência de Educação. Departamento de Educação Especial, 1998.

WEEDWOOD, Barbara. História concisa da Linguística. Tradução Marcos Bagno. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

WITTGENSTEIN, Ludwig Joseph Johann. Gramática filosófica. Tradução Luís Carlos Borges. São Paulo: Loyola, 2003.

WITTGENSTEIN, Ludwig Joseph Johann. Investigações Filosóficas.Trad. José Carlos Bruni. 12 ed. São Paulo: Nova Cultural, Coleção: Os Pensadores, 1979.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.