Reflexões sobre o papel das regras no ensino da matemática

Rouziclayde Castelo Barata, Paulo Vilhena da Silva

Resumo

Não é raro, na Educação Matemática, debates sobre o papel das regras e de seu aprendizado nas aulas de matemática. Para alguns pesquisadores e professores, o ensino de regras e fórmulas não passa de rigor desnecessário, pois acreditam que os alunos apenas memorizam e repetem procedimentos, argumentando que para um bom desempenho em matemática, seria bem mais relevante compreender o que se faz. A fim de refletir sobre essa questão, pretendemos, nesse artigo, por meio de um ensaio teórico, discutir o papel das regras matemáticas no aprendizado dessa ciência. Nossa argumentação está baseada principalmente nas ideias do filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein e de pesquisadores da Educação Matemática que comentam sua filosofia. Conforme nossa análise, compreender o que se faz em uma atividade matemática significa ter uma habilidade que depende do domínio das técnicas matemáticas envolvidas, isto, pressupõe o aprendizado de suas regras.

Texto completo:

PDF

Referências

AMORA, Antonio Soares. Minidicionário Amora Soares da Língua Portuguesa. São Paulo: Saraiva, 2008.

CARRASCO, Lucia Helena Marques: Leitura e escrita na matemática. IN: Iara C.B et al. (orgs). Ler e escrever: um compromisso de todas as áreas, 4 ed. Porto Alegre: editora da Universidade /UFRGS, 2001. p.175-189.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar 1998.

GOTTSCHALK, Cristiane Maria Cornelia. Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education. Universidade do Porto, set p. 73-82, 2014.

GOTTSCHALK, Cristiane Maria Cornelia. O conceito de compreensão: a mudança de perspectiva de Wittgenstein após uma experiencia docente. International Studies on Law and Education, São Paulo, Mandruvá, n. 12, p. 49-56, 2012.

LEE, Clare. El lenguaje en el aprendizaje de las matemáticas. Madrid: Ediciones Morata, 2010.

MACHADO, Nilson José. Matemática e língua materna: análise de uma impregnação

mútua, 5. ed. São Paulo: Cortez (2001).

MORENO, Arley Ramos. Introdução a uma epistemologia do uso. Caderno crh. Salvador, v. 25, n. spe 02, p. 73-95, 2012.

SMOLE , Katia Stocco; Diniz, Maria Ignez. Ler e aprender matemática. In: SMOLE, Kátia S.; Diniz, Maria Ignez (Orgs.) Ler escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. 38 – 55.

SILVA, Paulo Vilhena. O aprendizado de regras matemáticas: uma pesquisa de inspiração wittgensteiniana com crianças da 4ª série no estudo da divisão. Belém: UFPA, 2011. Dissertação (mestrado em Educação Matemática).

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. SILVA, Paulo Vilhena da. A compreensão de Regras Matemáticas na Formação Docente: Uma pesquisa sob o ponto de vista da linguagem. Education Policy Analysis Archives. V.21; N. 27, 2013.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Aplicação e interpretação de regras matemáticas.

Revista Educação Matemática Pesquisa. São Paulo: v. 10, nº 1. 2008. pp. 93-113.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Matemática, Discurso e Linguagens. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem. Educação Matemática e Pesquisa, São Paulo, v.16, n.1, pp. 47-73, 2014.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da; SILVA, Paulo Vilhena da. O cálculo e a escrita matemática na perspectiva da filosofia da linguagem: domínio de técnicas. Educação Matemática Pesquisa : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, v. 18, n. 1, abr. 2016.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Da certeza. Tradução: Maria Elisa Costa, Lisboa: Edições 70, 2000.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Tradução: Marcos G. Montagnoli, 7 ed – Petropolis – RJ - Vozes, 2012.

WITTGENSTEIN, Ludwig. The Blue and Brown books. Oxford: Blackwell, 1998.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.