Terapia das palavras para a compreensão de conceitos matemáticos

Valdomiro Pinheiro Teixeira Júnior

Resumo

A terapia filosófica de Wittgenstein permite uma compreensão ampliada de conceitos matemáticos, pois se opõe ao essencialismo e à concepção referencial da linguagem presente em filosofias tradicionais, mas que podem também ser percebidas em teorias educacionais. O segundo Wittgenstein busca revelar a importância da linguagem na construção do conhecimento, e assim, entende-se que a Matemática se constrói como uma linguagem, e apresenta características gramaticais, isto é, de normatividade. A terapia, apesar de não ter originalmente preocupações pedagógicas, pode contribuir, apresentando as confusões causadas por tais fundamentos filosóficos no ensino de Matemática. Sendo assim, defendo a análise baseada na terapia de Wittgenstein, para compreender os fundamentos filosóficos que causam confusões e os caminhos possíveis para o ensino. Apresento ainda as consequências do dogmatismo (alvo da terapia wittgensteiniana), mas também as possibilidades oferecidas pela terapia de Wittgenstein para o ensino de Matemática. Nosso suporte teórico está pautado nas ideias de Wittgenstein e tomo as reflexões da epistemologia do uso de Arley Moreno, devido à forma como ele sistematizou a filosofia do pensador austríaco, até porque este não propôs nenhuma teoria ou método de análise. Também fazemos uso das reflexões da educadora Cristiane Gottschalk. Sua abordagem educacional na Epistemologia do Uso, de Moreno, e na Filosofia de Wittgenstein.

Texto completo:

PDF

Referências

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Tradução de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina;

De magistro, tradução de Ângelo Ricci.Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

FANN, K. T. El concepto de filosofía en Wittgenstein. Tradución de Miguel Ángel Bertrán. Madri: Editorial Tecnos, 2013.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário de Wittgenstein. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

GOTTSCHALK, Cristiane. Uma reflexão filosófica sobre a matemática nos PCN. 154 f. Tese (Doutorado em filosofia da Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

________. A Natureza do Conhecimento Matemático sob a Perspectiva de Wittgenstein: algumas implicações educacionais. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), v. 14, p. 305-334, 2004.

________. O Papel do Mestre: Mênon revisitado sob uma perspectiva wittgensteiniana. Revista Internacional d´Humanitats 11, CEMOrOCFeusp/ Núcleo HumanidadesESDC/ Univ. Autónoma de Barcelona, 2007.

________. O paradoxo do ensino da perspectiva de uma epistemologia do uso. Educação e Filosofia (UFU. Impresso), v. 27, p. 659-674, 2013a.

________. A inserção nos jogos de linguagem da perspectiva de uma epistemologia do uso. International Studies on Law and Education, v. 15, p. 63-70, 2013b.

________. Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education, v. 18, p. 73-82, 2014.

________. A terapia wittgensteiniana como esclarecedora de conceitos fundamentais do campo educacional. IXTLI Revista Latinoamericana de Filosofía de la Educación, v. 2,4, p. 299-315, 2015.

MORENO, Arley Ramos. Wittgenstein e os valores: do solipsismo à intersubjetividade. Natureza Humana, v. 3, p. 233-288, 2001.

________. Uma concepção de Atividade Filosófica. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), CLE / UNICAMP, v. 14, n.2, p. 275-302, 2004.

________. Introdução a uma pragmática filosófica: de uma concepção de filosofia como atividade terapêutica a uma filosofia da linguagem. Campinas, São Paulo. Editora da UNICAMP, 2005.

________. Wittgenstein: os labirintos da linguagem. Campinas: Editora Moderna, 2006.

________. Pragmática da relação/propriedade interna. doispontos, Curitiba, São Carlos, vol. 6, n. 1, p.145-166, abril, 2009.

________. Introdução a uma epistemologia do uso. Caderno crh, Salvador, v. 25, n. spe 02, p. 73-95, 2012.

________. Breves anotações sobre educação e filosofia contemporânea. In: GOTTSCHALK, Cristiane M. C.; PAGOTTO-EUZEBIO, Marcos Sidnei; ALMEIDA, Rogério de. (Org.). Filosofia e Educação: Interfaces. 1ª ed. São Paulo: Képos, 2014, v. 1, p. 101-110

OLIVEIRA, Paulo Sampaio Xavier de. Implicações do Pensamento de Wittgenstein para o Ensino de Línguas. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), v. 14, p. 335-363, 2004.

SCHMITZ, François. Wittgenstein. trad. José Oscar de A. Marques. São Paulo: Liberdade, 2004.

SILVA, José Moreira da. Linguagem, metalinguagem e gramática em Ludwig Wittgenstein. Philosophica 7, Lisboa, Edições Colibri, 1996, pp. 105-123.

TEIXEIRA JÚNIOR, Valdomiro Pinheiro. A terapia de Wittgenstein e o ensino de álgebra. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, 2016.

THOM, R. Modern Mathematics: does it exist? In: HOWSON, A.G. (Ed.). Developments in mathematical education. Cambridge: Cambridge University Press, 1973. p.194-209

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus logico-philosophicus (TLP). Tradução de Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo: Edusp, 1993.

________. Investigações filosóficas (IF). Tradução de José Carlos Bruni. São Paulo: Nova cultural, 1999 (coleção os pensadores).

________. Da certeza (DC). Tradução de Maria Elisa Costa. Lisboa: Edições 70, 2000.

________. Gramática Filosófica (GF). Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.