Algumas Considerações sobre a Alfabetização Matemática no Pacto Nacional da Alfabetização na Idade Certa (PNAIC)

Cíntia Maria Cardoso, Cristiane Maria Cornelia Gottschalk

Resumo

Trata-se de uma reflexão de natureza filosófica sobre os usos da expressão alfabetização matemática nos documentos oficiais do Pacto Nacional da Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), encontrados no site do Ministério da Educação (MEC), a fim de identificar algumas das diretrizes que norteiam a prática da alfabetização matemática no Brasil, as quais pressupõem uma realidade matemática subjacente aos diversos modos de representação de uma situação empírica. Recorremos a algumas ideias do filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein, para evidenciar nestes documentos algumas confusões conceituais que podem levar a dificuldades de aprendizagem, na medida em que se busca fundamentos últimos da atividade matemática no universo extralinguístico e/ou não se tem clareza do uso (descritivo ou gramatical) de seus conceitos e/ou expressões matemáticas nos seus diversos contextos de aplicação. Ao final, a partir da concepção de “jogo de linguagem” de Wittgenstein e de seu conceito de “semelhanças de família”, fazemos uma análise crítica de uma das atividades propostas nestes documentos em que identificamos uma abordagem referencial de conceitos e expressões linguísticas da matemática que pode explicar, em parte, o fato de que as políticas públicas, em vigor, têm sido insuficientes para diminuir os problemas relativos à alfabetização matemática.

Texto completo:

PDF

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental): apresentação. Brasília: MEC/SEB, 2012.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA): documento básico. Brasília: 2013.

_____. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: alfabetização matemática. Apresentação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional, 2014a.

_____. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Saberes Matemáticos e Outros Campos do Saber. Caderno 08. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional, 2014b.

_____. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Interdisciplinaridade no ciclo de alfabetização. Caderno de Apresentação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional, 2015a.

_____. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Alfabetização matemática na perspectiva do letramento. Caderno 07. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional, 2015b.

_____. Ministério da Educação. Resultado do Pisa de 2015 é tragédia para o futuro dos jovens brasileiros, afirma ministro. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2017.

BUENO, Cinthya. Alfabetização matemática: manifestações de estudantes do primeiro ciclo sobre geometria. 2009. 209 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

D´AMBRÓSIO, U. Educação matemática: uma visão do estado da arte. Pro-Posições, Campinas, v. 4, n. 1, p.7-17, mar. 1993.

_____. Educação matemática: da teoria à prática. 23. ed. Campinas/SP: Papirus, 2012.

_____. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

DANYLUK, Ocsana. Alfabetização matemática: o cotidiano da vida escolar. 2. ed. Caxias do Sul: EDUSC, 1991.

_____. Alfabetização matemática: as primeiras manifestações da escrita infantil. Porto Alegre: Editora Sulina, 1998.

_____. As relações da criança com a alfabetização matemática. In.: BAUMANN, A. P. P.; MIARKA, R.; MONDINI, F.; LAMMOGLIA, B.; BORBA, M. C. (Orgs.). Maria em Forma/Ação. Rio Claro: Editora IGCE, 2010, p. 28-33. 1 CD.

FIORENTINI, Dario. Rumos da pesquisa brasileira em Educação Matemática : o caso da produção científica em cursos de Pós-graduação. 1994. 301f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 1994.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. ed. rev. Campinas/SP: Autores Associados, 2012.

FONSECA, M. C F. R. A educação matemática e a ampliação das demandas de leitura escrita da população brasileira. In: FONSECA, M. C. F. R. (Org.). Letramento no Brasil: habilidades matemáticas. São Paulo: Global, 2004. p. 11-28.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis; CARDOSO, Cleusa Abreu. Educação Matemática e letramento: textos para ensinar Matemática, Matemática para ler o texto. In: NACARATO, Adair Mendes; LOPES, Celi Espasandin (org.). Escritas e Leituras na Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 63-76.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 45. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

____. A pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de janeiro: Paz e terra, 2005.

GOTTSCHALK, Cristiane Maria Cornelia. Uma reflexão filosófica sobre a matemática nos PCN. 2002. 154f. Tese (Doutorado em Filosofia da Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

_____. A Natureza do Conhecimento Matemático sob a Perspectiva de Wittgenstein: algumas implicações educacionais. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, Série 3, v. 14, n. 2, p. 305-334, jul./dez. 2004.

_____. Ver e ver como na construção do conhecimento matemático. In: IMAGUIRE, Guido; MONTENEGRO, Maria Aparecida; PEQUENO, Tarcísio (Org.). Colóquio Wittgenstein. Fortaleza: Edições UFC, 2006, p. 73-93.

____. Uma Concepção Pragmática de Ensino e Aprendizagem. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 459-470, set./dez. 2007.

_____. Algumas observações sobre a questão da possibilidade de aprendizagem sem linguagem. In.: GOTTSCHALK, Cristiane M. C.; PAGOTTO-EUZEBIO, Marcos Sidnei; ALMEIDA, Rogério de. Filosofia e Educação: Interfaces. São Paulo: Képos, 2014a. p. 101-110.

_____. Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education, CEMOrOc-Feusp / IJI-Universidade do Porto, n. 18, p. 73-82, set./dez. 2014b.

_____. A terapia wittgensteiniana como esclarecedora de conceitos fundamentais do campo educacional. In: GOTTSCHALK, C. M. C.; CARVALHO, J. S. Fonseca de; AQUINO, J. G. (Org.). Filosofia, Educação, Formação: I Jornada Internacional de Filosofia da Educação – III Jornada de Filosofia e Educação da FEUSP. São Paulo: FEUSP, 2017. p. 309-326.

MACHADO, N. J. Matemática e Língua Materna: análise de uma impregnação mútua. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

KLEIMAN, A. (Org.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

MACHADO, A. C.; FONSECA, M. C. F. R.; GOMES, M. L. M. Dossiê: a pesquisa em educação matemática no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 36, p.129-136, dez. 2002.

MAIA, M. G. B. Alfabetização matemática: aspectos concernentes ao processo na perspectiva de publicações brasileiras. 2013. 266f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

MAIA, M. G. B.; BRIÃO, G. F. (orgs.). Alfabetização matemática: perspectivas atuais. Curitiba: CRV, 2017.

NACARATO, A. M; LOPES, C. E. (org.). Educação matemática, leitura e escrita: armadilhas, utopias e realidade. Campinas/SP: Mercado do Letras, 2009.

_____. Indagações, reflexões e práticas em leituras e escritas na educação matemática. Campinas/SP: Mercado do Letras, 2013.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016.

SILVA, C. E. S. Concepções de significado: implicações no ensino da matemática na alfabetização. 2015. 97 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) - Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Matemática, discurso e linguagens: contribuições para a Educação Matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2015.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 11. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

_____. Alfabetização e Letramento. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

TFOUNI, Leda Verdiani. Alfabetização e Letramento. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

WITTGENSTEIN, L. Tractatus Logico-philosophicus. Tradução de Luiz Henrique Lopes dos Santos. 3. ed. Edição Bilingue. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

_____. Investigações filosóficas. Tradução de Marcos G. Montagnoli. Revisão da tradução e apresentação Emmanuel Carneiro Leão. 8. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2013.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.