A Taxonomia SOLO nas teses e dissertações defendidas em Programas de Pós-Graduação no Brasil

Palavras-chave: Taxonomia SOLO, Ensino e Aprendizagem, Educação.

Resumo

A Taxonomia SOLO (TS) tem uma diversidade de aplicações dentro das mais várias áreas de estudo, a qual pode ser muito utilizada, como por exemplo, para avaliar a qualidade da aprendizagem, objetivos curriculares, categorização de questões, ou ainda para categorização de respostas. Desse modo, o objetivo deste artigo consiste em verificar como essa teoria vem sendo utilizada pelos pesquisadores brasileiros nas últimas décadas. Para desenvolver este texto, buscamos no catálogo de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) pesquisas que utilizaram a TS e foram desenvolvidas em Programas de Pós-Graduação no Brasil. Nessas condições, observamos que apenas 12 dissertações foram defendidas no período de 2006 a 2019, não constando nenhuma tese. Por meio da leitura dos resumos, observamos que os objetos de pesquisa desses trabalhos foram alcançados utilizando a TS como ferramenta metodológica. Diante do exposto, podemos inferir que essa teoria tem um leque diversificado de possibilidades de utilização nas várias áreas de estudo, que se levada em consideração pode ser muito útil, como exemplo, para a educação, a ciências exatas, dentre outras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Fialho Guedes Ferreira, Universidade Federal do Pará
Professor de Matemática pelo Instituto Federal do Pará, Doutorando em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas da Universidade Federal do Pará.
Maria Lúcia Pessoa Chaves Rocha, Universidade Fededral do Pará
Professor de Matemática aposentada pelo Instituto Federal do Pará, Professor de Matemática pelo Instituto Federal do Pará, Doutorando em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas da Universidade Federal do Pará. Professora colaboradora do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Fededral do Pará.

Referências

ALLEVATO, N. S. G. Associando o computador à resolução de problema fechados: Análise de uma experiência. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, p. 378. 2005.

ALMEIDA, C. C. D. Analise de instrumento de Letramento Estatístico para o Ensino Fundamental II. Universidade Anhanguera de São Paulo. São Paulo, p. 82. 2010.

AMANTES, A.; BORGES, O. O uso da Taxonomia SOLO como ferramenta metodológica na pesquisa educacional. Anais 6º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências, 2008.

BIGGS, J. Calidade del aprendizage universitário.Narcea: , 2006. p. 64 p.

BIGGS, J.; COLLIS, K. Evaluating the quality of learning: The SOLO taxonomy. New York: Academy Press, 1982.

CHAGAS, P. C. D. Um projeto de Unidade de Ensino Potencialmente Significativo nas Cores de Newton por Meio dos Fenômenos Ópticos. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas. Manaus, p. 142. 2017.

FILIPE, M. A. E. R. A Taxonomia SOLO nos Exames Nacionais de Matemática – 9º Ano. Universidade Nova de Lisboa. Lisboa - Portugal, p. 189. 2011.

GADEA, S. J. S. Aprendizagem Sobre Flutuação nas Séries Iniciais Através da Inserção de Atividades Investigativas. Universidade Federal da Bahia. Salvador, p. 149. 2016.

GARIBOTTI, C. R. A Teoria dos Campos Conceituais de Vergnaud como ferramenta para o mapeamento do campo conceitual do Cálculo: um estudo dos conhecimentos matemáticos de alunos ingressantes nos cursos de Engenharias Agroindustriais. Universidade Fededral do Rio Grande – FURG. Santo Antônio da Patrulha - RS, p. 78. 2019.

HORNINK, G. G. Formação continuada de professores ded Biologia com uso de softwares livres. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, p. 145. 2006.

JÚNIOR, A. D. O. C. Uma Estratégia Utilizando Robótica para o Ensino dos Conceitos de Velocidade e Aceleração Escalares. Instituto Federal de Educacional, Ciências e Tecnologia do Amazonas. Manaus, p. 164. 2018.

LIMA, M. S. D. Uma Proposta da aplicação da teoria dos campos conceituais para o ensino de cálculo em cursos superiores. Universidade Anhanguera. São Paulo, p. 190. 2012.

LOPES, R. F. Uma Introdução ao ensino da eletrodinâmica por meio de roteiros, para alunos do ensino fundamental II e a confecção do manual de auxílio. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazônia. Manaus, p. 163. 2016.

MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOL, S. M. PROVA BRASIL: Uma análise da complexidade cognitiva de itens de Matemática por meio da Taxonomia SOLO. Universidade Federal de Ouro Preto. Mariana - MG, p. 129. 2019.

CEIA, M. J. M. A Taxonomia SOLO e os níveis de Van Hiele. Comunicação apresentada no XI Encontro de Investigação em Educação Matemática. Coimbra: 2002.

RAMOS, W. M. P. Um Ensino de Eletrostática Planejado Construtivamente para o Nono Ano. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. Manaus. 2016.

RIBEIRO, A. A. N. O Entendimento de Estudantes do Ensino Médio Sobre Sistema de Referência e Movimento Relativo. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, p. 139. 2005.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As Pesquisas Denominadas do Tipo "Estado da Arte" em Educação Matemática. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37 - 50, Dezembro, 2006.

SANTOS, E. C. D. Avaliação do nível de usabilidade do AVALE-EB para a Aprendizagem de variabilidade. Universidade Estadual de Santa Cruz. Ilhéus, p. 256. 2015.

SANTOS, F. B. Análise dos Pictogramas Construídos por Alunos Cegos e Videntes no Contexto da Aprendizagem de Probabilidade. Universidade Estadual de santa Cruz. Ilhéus, p. 108. 2014.

Publicado
2020-04-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 61
  • PDF Downloads 61
Como Citar
FERREIRA, F. F. G.; ROCHA, M. L. P. C. A Taxonomia SOLO nas teses e dissertações defendidas em Programas de Pós-Graduação no Brasil. REMATEC, v. 15, p. 32-46, 30 abr. 2020.
Seção
Artigos Científicos