Hackeando as estruturas: Crítica Feminista e Prática Democrática

  • Fernanda Valim Côrtes Miguel UFVJM
  • Igor Amin Ataídes UFVJM
Palavras-chave: escola, feminismo, redes, mobilizações, utopias.

Resumo

O presente artigo discute o protagonismo das mulheres e das insurgências feministas e estudantis no Brasil, sobretudo a partir das manifestações e protestos que explodiram a partir de junho de 2013, pontuando uma série de eventos culturais e políticos e de iniciativas que levantaram pautas feministas e lutas de fortalecimento dos direitos das mulheres e de grupos historicamente oprimidos. Partimos da hipótese de que os debates sobre as discussões de gênero, que seguiram ampliando compreensões críticas sobre discriminações de raça, classe, orientação e prática sexual, nacionalidade e identidade de gênero, foram impulsionadas por um conjunto de forças que precisariam ser pensadas dentro da lógica do neoliberalismo global. Nesse sentido, o artigo aproxima uma análise conjuntural e a força das ruas e das manifestações ao papel da web e das redes sociais em uma forma estratégica de mobilização política local e global que envolve a popularização e visibilidade de vozes por disputas narrativas. Por fim, refletimos sobre como essas discussões produzem impactos nos modos de se pensar novas formas de escolarização no mundo contemporâneo, sobretudo no Brasil, que desafiem o modelo neoliberal meritocrático e apontem para novas utopias e práticas da liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

MORAGA, C.; Anzaldúa, G. This bridge called my back: Writings by radical women of color (4th ed.). Albany, NY: State University of New York Press, 2015.

BENTES, Ivana. Hackear, narrar: As novas linguagens do ativismo. In: Mídia-multidão: Estéticas da comunicação e biopolíticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2015.

BOGADO, Maria. Rua. In: Explosão feminista. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

BOITO JR, Armando. Reforma e Crise Política no Brasil: os Conflitos de Classe nos Governos do PT. Campinas: Editora Unicamp / Editora Unesp, 2018.

BUSSEY, Marcus. #HackFutures: Futurist as Hacker. In: Jornal of Futures Studies, September, 2017, 22(1), p.89-96.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 6 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet.

COSTA, Cristiane. Rede. In: Explosão feminista. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. São Paulo: Cadernos De Campo, 2006.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. E outros escritos. 10 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002b.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2016.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma Pedagogia da Pergunta. Rio de janeiro: Paz e Terra, 4 ed. 1998.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). Antropologia do ciborgue: As vertigens do póshumano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

HIMANEM, Pekka. A ética dos hackers e o espírito da era da informação a diferença entre o bom e o mau hacker. Pekka Himanem, td. Fernanda Wolff - Rio de Janeiro: Campus, 2001.

HOLLANDA, Heloisa Buarque. Explosão feminista. São Paulo: Cia das Letras, 2018.

HOOKS, bell. Feminist Theory: From Margin to Center. Second Edition. London: Pluto Press, 2000.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

HOOKS, bell. Feminismo como prática democrática. In: CÁSSIO, Fernando (Org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

HOOKS, bell. Killing Rage. Ending Racism. New York: Owl Books, 1995.

HOOKS, bell. Yearning. Race, Gender and Cultural Politics. Boston: South End Press, 1990.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo quotidiano. Lisboa: Orfeu Negro, 2019.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. Technologies of gender, Indiana University Press, 1987.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

SOLANO, Esther; MANSO, Bruno Paes; NOVAES, Willian. Mascarados: A verdadeira história dos adeptos da tática Black Bloc. São Paulo: Geração Editorial, 2014.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

WARK, McKenzie. A hacker manifesto. Cambridge: Harvard University Press, 2004.

Arquivos digitais:

Espero sua re(volta) (2019). Documentário. Brasil. Direção de Eliza Capai.

Kbela (2015). Curta-metragem. Brasil. Direção de Yasmin Thayná. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LGNIn5v-3cE. Acesso em janeiro de 2020.

Lute como uma menina (2016). Documentário. Brasil. Direção de Flávio Colombini e Beatriz Alonso. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=8OCUMGHm2oA. Acesso em: dezembro de 2019.

Que horas ela volta? (2015). Filme. Brasil. Direção Anna Muylaert.

Surplus: Terrorized Into Being Consumers (2003). Direção de Erik Gandini. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=bXmuWecIQos. Acesso em janeiro de 2020.

Publicado
2020-05-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 91
  • PDF Downloads 91
Como Citar
MIGUEL, F. V. C.; ATAÍDES, I. A. Hackeando as estruturas: Crítica Feminista e Prática Democrática. REMATEC, v. 15, n. 33, p. 129-147, 1 maio 2020.
Seção
Artigos Científicos