O resgate da escola pública utópica de Freire como possibilidade inscrita na história: o Movimento de Reorientação Curricular em São Paulo (1989-1992)

Palavras-chave: Escola pública, Políticas curriculares, Currículo, Paulo Freire, Escola utópica.

Resumo

Propomo-nos, neste texto, discutir o Movimento de Reorientação Curricular realizado durante a gestão de Paulo Freire, na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, de 1989 a 1992, por identificá-lo com a proposta de oferecer às escolas públicas paulistanas os subsídios necessários à construção curricular, visando estimular, por meio da descentralização do poder deliberativo sobre o currículo, a autonomia das escolas e a participação popular no movimento. Justificamos sua necessidade devido ao fato de que a viabilidade e o direito de cada escola brasileira construir seu próprio currículo têm sido postos em suspeição pelas políticas tecnicistas, homogeneizadoras e acríticas que supõem a impossibilidade dessa construção. Torna-se necessária outra escola, que se construa a partir de outra lógica. Por isso, partindo da hipótese – presente nos princípios estruturantes apresentados à rede municipal à época – de que a política curricular freireana se fundamentou em uma inversão do tradicional vetor orientador dessas políticas, avaliamos seus contrapontos significativos às atuais políticas curriculares, possibilitando-nos, inclusive, o resgate do sentido público da escola pública brasileira, por meio do que chamamos de escola pública utópica de Freire.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO-SP/SME (PMSP/SME). Educação na cidade de São Paulo: um ato de coragem. São Paulo: SME, 1989a.

______. O Movimento de Reorientação Curricular na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Documento 1. São Paulo: SME, 1989b.

______. Construção do currículo escolar pela via da interdisciplinaridade. São Paulo: SME, 1989c.

______. O Movimento de Reorientação Curricular na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Documento 2. São Paulo: SME, 1990.

______. O Movimento de Reorientação Curricular na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Documento 3 – Problematização da escola: a visão dos educadores, educandos e pais. São Paulo: SME, 1991a.

______. O Movimento de Reorientação Curricular na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Documento 4 – A criança e o desenho. São Paulo: SME, 1991b.

______. O Movimento de Reorientação Curricular na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Documento 5 – Visão de área (Matemática). São Paulo: SME, 1992a.

______. O Movimento de Reorientação Curricular na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Documento 6 – Relatos de prática (Matemática). São Paulo: SME, 1992b.

Referências bibliográficas

AGUIAR, Denise Regina da C. A estrutura curricular em ciclos de aprendizagem nos sistemas de ensino: contribuições de Paulo Freire, 2011, 362 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

APPLE, Michael. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? IN: MOREIRA, Antônio Flávio. SILVA, Tomás Tadeu (orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2011, pp. 71-106.

ARELARO, Lisete. SAUL, Alexandre. Um revolucionário amoroso, tolerante, bem humorado e radicalmente democrático: saudades de Paulo Freire. Revista Reflexão e Ação, 2017, pp. 295- 310.

DELIZOICOV, Demétrio. Conhecimento, tensões e transições. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo. São Paulo, 1991.

A ESCOLA que queremos. Direção: Júlio César Augusto do Valle. Produção: Alexandre Rocha da Silva e João Paulo Persan. São Paulo: FEUSP. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=hAsYQd7afO0>. Último acesso em: 29 Jan 2020.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1999.

______. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

______. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

GIROUX, Henry. MCLAREN, Peter. Formação do professor como uma contraesfera pública: a pedagogia radical como uma forma de política cultural. EM: MOREIRA, Antônio Flávio. SILVA, Tomás Tadeu (orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2011, pp. 141-173.

GIROUX, Henry. SIMON, Roger. Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana como base para o conhecimento curricular. Em: MOREIRA, Antônio Flávio. SILVA, Tomás Tadeu (orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2011, pp. 107-140.

LEVITSKY, Steven; ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2018.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SAUL, Ana Maria. A construção da escola pública, popular e democrática na gestão Paulo Freire no município de São Paulo. IN: XVI Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (ENDIPE), 2012, Campinas. Anais. Campinas: Editora UNICAMP, pp. 395-406.

SAUL, Ana Maria; SAUL Alexandre. Mudar é difícil, mas é possível e urgente: um novo sentido para o projeto político-pedagógico da escola. Revista Teias, v. 14 (33), 2013, pp. 102-120.

SAUL, Ana Maria; SILVA, Antonio Fernando Gouvêa da. Uma leitura a partir da epistemologia de Paulo Freire: a transversalidade da ética na educação, currículo e ensino. Revista Cocar, v. 6, n. 11, pp. 7-15, 2012.

TORRES, Carlos Alberto. O’CADIZ, Maria del Pillar. WONG, Pia Lindquist. Educação e democracia: a práxis de Paulo Freire em São Paulo. São Paulo: Cortez, 2002.

VALLE, Júlio César Augusto do. Inversão do vetor nas políticas curriculares: o Movimento de Reorientação Curricular de Freire em São Paulo (1989-1992). 2019. 326f. (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2019.

Publicado
2020-05-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 92
  • PDF Downloads 92
Como Citar
VALLE, J. C. A. DO. O resgate da escola pública utópica de Freire como possibilidade inscrita na história: o Movimento de Reorientação Curricular em São Paulo (1989-1992). REMATEC, v. 15, n. 33, p. 201-223, 1 maio 2020.
Seção
Artigos Científicos