FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: Uma perspectiva sócio-epistemológica para o estágio curricular

  • Maria Auxiliadora Lisboa Moreno Pires Instituição: Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS- Brasil Intituição: Universidade Católica do Salvador – UCSAL – Brasil https://orcid.org/0000-0001-9070-5730
Palavras-chave: Estágio supervisionado, Formação de Professores de Matemática, Ensino de matemática, Cidadania

Resumo

Discutir a  formação de professores e ensino de matemáticana, no 5º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEMAT), realizado em Belém –PA, em 2018,  na perspectiva sócio epistemológica para o estágio curricular no estudo da configuração do Estágio Curricular Supervisionado em instituições de ensino superior da Bahia foi nossa intençao neste artigo com vistas a ampliar os debates e enriquecer o conhecimento já produzido no Brasil sobre o assunto. A pesquisa foi operacionalizada com base nos documentos existentes nas instituições envolvidas incluindo depoimentos de um grupo amplo de sujeitos participantes. A situação revelada na configuração do estágio nas instituições pesquisadas está longe de ser caracterizada como ideal. São inúmeras as dificuldades, tensões e problemas enfrentados pelos estudantes e professores no dia a dia nos cursos de formação dos professores de Matemática e nas escolas públicas. Essas mesmas deficiências foram reveladas através das análises dos diferentes documentos construídos na pesquisa, como questionários, entrevistas, memoriais dos professores e relatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.

BARREIRO, Iraíde Marques de Freitas; GEBRAN, Raimunda Abou. Prática de Ensino e Estágio Supervisionado na Formação de Professores. São Paulo: Avercamp, 2006.

BLOOR, David. Conhecimento e imaginário social. Tradução Marcelo do Amaral Penna-Forte. São Paulo: UNESP, 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 01/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2008.

CAMPOS, Maria de Lurdes. Estágio e (re) significação da formação do pedagogo. In: OLINDA, Ercília Maria Braga de; FERNANDES, Maciel Gonçalves (Orgs.). Práticas e atividades docentes. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

CANTORAL, Ricardo. La aproximación socioepistemológica a la investigación en matemática educativa: una mirada emergente. [CD-ROM] XI Conferencia Interamericana de Educação Matemática. Tema: Educación Matemática & Desafíos y Perspectivas. Blumenau, Brazil: Universidade Regional de Blumenau, 2003. Disponível em http://cimate.uagro.mx/cantoral/ 2003.

FIORENTINI, Dario; CASTRO, Franciana Carneiro de. Tornando-se Professor de Matemática: O caso de Allan em Prática de Ensino e Estágio Supervisionado. In: FIORENTINI, Dario (org.) Formação de professores de Matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas/SP: Mercado das Letras, 2003.

GARCÍA, Marcelo Carlos. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 53-76.

GARCÍA, Marcelo Carlos. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Colecção Ciências da Educação: século XXI. Porto: Porto, 1999.

MERTON, Robert K. Sociologia do conhecimento. In: Sociologia do Conhecimento. BERTELLI, Antonio Roberto; PALMEIRA, Moacir G. Soares; VELHO, Otávio Guilherme (Org.). Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MIGUEL, Antonio. História, filosofia e sociologia da educação matemática na formação do professor: um programa de pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 137-152, jan./abr. 2005.

MOREIRA, Darlinda. Sociologia da matemática. (Org. GruPoTEM). Série cadernos de Educação Matemática, número 3. Lisboa: Associação de Professores de Matemática, 1998.

NÓVOA, Antonio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, Antonio (Coord.) Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote. 1995.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria do Socorro Lucena. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

RESTIVO, Sal. As raízes sociais da matemática pura. In: Sociologia da matemática. (Org. GruPoTEM). Série cadernos de Educação Matemática, número 3. Lisboa: Associação de Professores de Matemática, 1998.

RODRIGUES, Leo Junior. Karl Mannheim e os problemas epistemológicos da sociologia do conhecimento: é possível uma solução construtivista? Episteme, Porto Alegre, n.14, p.115-138, jan./jul.2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Conhecimento prudente para uma vida decente. Um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

STRUIK, Dirk J. Sobre a sociologia da matemática. In: Sociologia da matemática. (Org. GruPoTEM). Série cadernos de Educação Matemática, número 3. Lisboa: Associação de Professores de Matemática, 1998.
Publicado
2020-12-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 44
  • PDF Downloads 44
Como Citar
PIRES, M. A. L. M. FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: Uma perspectiva sócio-epistemológica para o estágio curricular . REMATEC, v. 15, n. 36, p. 175-191, 22 dez. 2020.
Seção
Artigos Científicos