Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos Científicos

v. 16 (2021): Fluxo Contínuo

Ressignificação teórica para a interpretação de um modelo matemático por meio do tempo lógico de Jaques Lacan


Publicado
June 7, 2021

Resumo

Decifrar um modelo das coisas perpassa por três circunstâncias observáveis: intuição, deliberação e tomada de decisão.  Segundo Jaques Lacan, o tempo lógico é definido em três atos: o instante de ver, o tempo de compreender e o momento de concluir. A interpretação de um modelo matemático segue em três partes analisáveis: a noção intuitiva, o pensamento matemático e a resolução do problema. Este estudo objetivou identificar as verdadeiras relações entre os princípios da descodificação de um modelo da natureza, as etapas de execução do tempo lógico de Lacan e a as fases da explicação de um modelo matemático. A ordem é ressignificar o processo de ensino e aprendizagem de matemática utilizando uma abordagem Lacaniana. Abordagens pedagógicas que fortalecem a intuição e o pensamento matemático são indispensáveis para aprimorar o desenvolvimento metacognitivo do sujeito envolvido.    

Referências

ALVARENGA, Karly Barbosa; ANDRADE, Iris Danúbia; DE JESUS SANTOS, Ricardo. Dificuldades na resolução de problemas básicos de matemática: um estudo de caso do agreste sergipano. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 12, n. 24, p. 39-52, 2016.

ARAÚJO, Fabíola Menezes de. O tempo em Lacan. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, v. 19, n. 1, p. 103-114, 2016.
BARBOZA, P. L. Depoimentos de alunos concluintes de uma licenciatura sobre o processo de ensino e aprendizagem . Revista Baiana de Educação Matemática, v. 2, n. 01, p. e202104, 8 mar. 2021.

BASSANEZI, Rodney C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. 3ª ed. São Paulo: Contexto, 2006.

BIEMBENGUT, Maria Salett; HEIN, Nelson. Modelagem matemática no ensino. 3ª ed. São Paulo: Contexto, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 20.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

FRÖHLICH, Cláudia Bechara; RICKES, Simone Moschen. O Tempo de Compreender e as Letras: Uma Proposta de pesquisa. 2012.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Objetiva, 2012.

LACAN, Jacques. O tempo lógico e a asserção de certeza antecipada: um novo sofisma (1945). Lacan J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 69-86, 1998.

MELO, José Ronaldo. Ensino e aprendizagem de matemática, seus fundamentos filosófico-científicos, suas estratégias e possibilidades. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 1, p. 7680-7691, 2021.

MARINHO, Eudes Erionilde Souza et al. Intuição matemática. 2019. Disponivel em: < http://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/tede/3520 > Acesso em 2 de março de 2021.

PONTES, Edel Alexandre Silva. O PARADOXO DE RUSSELL E O TEMPO LÓGICO DE LACAN: DO REAL AO IMAGINÁRIO EM UMA LINHA PARADOXAL. Revista Psicologia & Saberes, v. 7, n. 9, p. 18-24, 2018.

PONTES, Edel Alexandre Silva. The Teaching Practice of the Mathematics Teacher in Basic Education: A Vision in the Brazilian School. International Journal of Humanities and Social Science Invention (IJHSSI), v. 7, n. 6, p. 86-89, 2018.

PONTES, Edel Alexandre Silva. Método de polya para resolução de problemas matemáticos: uma proposta metodológica para o ensino e aprendizagem de matemática na educação básica. HOLOS, v. 3, p. 1-9, 2019.

PONTES, Edel Alexandre Silva. A Capacidade de Gerar Soluções Eficientes e Adequadas no Processo Ensino e Aprendizagem de Matemática. Revista Psicologia & Saberes, v. 8, n. 10, p. 193-205, 2019.

ROMANATTO, Mauro Carlos. Resolução de problemas nas aulas de Matemática. Revista Eletrônica de Educação, v. 6, n. 1, p. 299-311, 2012.

SCHOENFELD, Alan. Porquê toda esta agitação acerca da resolução de problemas. Investigar para aprender matemática, p. 61-72, 1996.

SODRÉ, Ulysses. Modelos matemáticos. Londrina: UEL. 2007.

VERGNAUD, Gérard. Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didáctica das matemáticas. Um exemplo: as estruturas aditivas. Análise psicológica, v. 5, p. 75-90, 1986.

WILDER, Raymond L. The role of intuition. Science, v. 156, n. 3775, p. 605-610, 1967.